Encontro propõe pactuar ações que mobilizem atores sociais contra os discursos de ódio e de intolerância e a crescente monopolização das cidades em favor do lucro e da exclusão social

O 2º Fórum Brasileiro de Direitos Humanos e Saúde Mental, organizado pela Associação Brasileira de Saúde Mental (Abrasme), conta com a parceria da Fenapsi que comporá a mesa de abertura e participará de diversas discussões. O evento será realizado entre os dias 4 e 6 de junho, em João Pessoa, na Paraíba.

Nessa edição o tema será "Direito às Diversidades: Cidades, Territórios e Cidadania" com o objetivo central de problematizar as violações de Direitos Humanos das diferentes formas de viver as cidades. Na atualidade, a sociedade brasileira vivencia o crescimento de violências e de crimes contra segmentos vulneráveis ou que se contrapõem aos padrões normativos da sociedade contemporânea.

Esses fenômenos se tornam mais graves quando são reforçados por instituições que deveriam proteger e promover o respeito às diversidades. Sendo as multiplicidades cultural, étnica, sexual, religiosa constituintes da sociedade civil, cabe aos poderes públicos e à própria sociedade zelar pelo direito à expressão destas diferenças.

Nesse contexto, as cidades se tornam arenas nas quais discursos e práticas se materializam, seja pela ação dos sujeitos políticos, seja pela ação das instituições na consecução das políticas públicas. Vale destacar que durante parte da história social brasileira ações e políticas baseadas no higienismo, na medicalização social e na segregação dos considerados como diferentes ou anormais geraram graves violações aos Direitos Humanos.

Reação conservadora

Atitudes reativas como aquelas que reivindicam agravamento das penas de prisão e de repressão, a exemplo da Diminuição da Maioridade Penal, Internação Compulsória para pessoas em sofrimento mental, para usuários de álcool e drogas e para População em Situação de Rua, ocupações militares em áreas populares, expulsão de populações de determinadas áreas geográficas para fins de exploração imobiliária, são expressões de disputas do espaço social em favor do Capital contradizendo os princípios e os direitos constitucionais.

O 2º Fórum de Direitos Humanos e Saúde Mental será um importante espaço de reflexão e de pactuação de ações que visem mobilizar diversos atores sociais para questionar e lutar contra os discursos de ódio e de intolerância e a crescente monopolização das cidades em favor do lucro e da exclusão social.

Por isso é importante que movimentos sociais, pesquisadores, estudantes, ativistas e militantes participem do 2º Fórum Brasileiro de Direitos Humanos e Saúde Mental, contribuindo para a construção de uma ampla mobilização social e popular em favor de cidades inclusivas, justas e solidárias.

Para saber mais sobre o evento e se inscrever clique aqui.