É preciso garantir que não vamos dar nenhum passo atrás e que vamos avançar nas pautas que ampliam os direitos e contribuem para construir uma sociedade mais justa e solidária

A Fenapsi parabeniza todas as trabalhadoras e todos os trabalhadores pelo seu dia, comemorado nessa sexta-feira, 1 de maio. Deixamos parabéns especiais para os mais de 220 mil psicólogas e psicólogos que atuam na melhoria da qualidade de vida da população e com o compromisso de prestar serviços de excelência à sociedade, lutando por melhores condições de trabalho, remuneração justa e mais possibilidades de participação em processos de formação.

Hoje, no Brasil, vivemos um tempo em que é preciso lutar e enfrentar com muita determinação e coragem as investidas dos setores empresariais, que junto com a maioria conservadora desta nova configuração do Congresso tentam fazer retroceder as conquistas das trabalhadoras e dos trabalhadores, tentando retirar direitos e revogar de maneira indireta a CLT com a liberação das terceirizações para a atividade-fim por meio do PL 4330, já aprovado na Câmara e agora sob a análise do Senado.

Na luta em defesa das trabalhadoras e dos trabalhadores a Fenapsi apoia e participa de diversas atividades programadas pela CUT e seus sindicatos filiados em todo o país para comemorar a data, mas que também estão exigindo a manutenção e ampliação dos direitos trabalhistas das diversas categorias.

São tempos difíceis em que não podemos esmorecer e nem perder as esperanças. Diante das reações às pautas conservadoras que surgem por todo o país intencionando retirar direitos das trabalhadoras e dos trabalhadores o aparelho de repressão estatal, em especial nos estados com governos alinhados com os ideais do mercado ou na Câmara Federal, massacra as vozes divergentes.

Isso ocorreu nesta quarta-feira, 29, em Curitiba, onde centenas de trabalhadoras e trabalhadores, em sua maioria professores, foram feridos por balas de borracha, mordidas de cães, spray de pimenta e bombas de efeito moral, por não concordarem com um projeto do Governo do Estado que mexe nas suas aposentadorias. Em menor proporção, mas também com gravidade, a mesma atitude foi tomada pela polícia legislativa da Câmara Federal, liderada pelo presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que realizou uma ação violenta e abusiva, com spray de pimenta e bombas, contra manifestantes ligados a Centrais Sindicais e que estavam em Brasília para protestar contra a votação do PL 4330 deixando clara a resposta que a atual presidência da Casa pretende dar a manifestações democráticas e que enfrentem interesses empresariais e conservadores, não corroborando com as suas pautas.

1º de maio é dia de luta! É preciso garantir que não daremos nenhum passo atrás e que avançaremos nas pautas que ampliam os direitos e contribuem para construir uma sociedade mais justa e solidária!

Foto: CUT