Ministro da Saúde indicou ex-diretor de manicômio para coordenar as políticas de saúde mental no Brasil

O ministro da Saúde, Marcelo Castro, anunciou que substituirá o coordenador de Saúde Mental do Ministério, Roberto Tykanori, pelo psiquiatra Valencius Wurch Duarte Filho, que foi diretor do maior manicômio da América Latina durante 10 anos, o que para as entidades da área da Saúde representa o fim da reforma psiquiátrica no Brasil.

O anúncio aconteceu durante a 18ª Reunião do Colegiado Nacional de Coordenadores de Saúde Mental, realizada nos dias 8, 9 e 10 de dezembro, da qual participava a vice-presidente da Fenapsi, Shirlene Queiroz, representando a Comissão Intersetorial de Saúde Mental (Cism).

O Ministro recebeu sete entidades que fizeram a defesa da permanência do coordenador de Saúde Mental atual e da política de saúde mental tal como ela é, em uma defesa da Rede de Atenção Psicossocial (Raps). Foi então que o ministro fez o anúncio do nome de Valencius Wurch Duarte Filho, ex-diretor do Eiras de Paracambi, no Rio de Janeiro, considerado o maior manicômio da América Latina.

Entidades em todo o Brasil estão organizando mobilizações pela permanência do atual coordenador e das políticas de reforma psiquiátrica, deixando claro que a chegada de Valencius não será aceita. Rio de Janeiro e São Paulo já estão se mobilizando e na Paraíba a Frente Paraibana de Luta Antimanicomial, liderada pela vice-presidente da Fenapsi, Shirlene Queiroz, se reúne na próxima segunda-feira, 14, às 19 horas, no auditório do CRP-13 (Paraíba), em João Pessoa.