Rosi, como era conhecida, militava na área dos direitos humanos e da saúde mental




 

É com todo o pesar, que a Fenapsi lamenta o falecimento da psicóloga mineira Rosimeire Aparecida Silva, ocorrido nesta segunda-feira, 15 de maio, em Belo Horizonte-MG. 
 
As informações iniciais dão conta de que Rosi, como era conhecida, faleceu em decorrência de um infarto, em seu apartamento, na capital mineira. Ela estava com 52 anos. 
 
O local de seu velório e sepultamento ainda será divulgado. 
 
Saúde mental 
Militante dos direitos humanos e da luta antimanicomial, Rose faleceu na semana do Dia Nacional da Luta Antimanicomial (18 de maio). Em sua trajetória, a psicóloga coordenou a Política de Saúde Mental da Prefeitura de Belo Horizonte, sendo uma grande militante dessa área e pioneira na criação de serviços substitutivos aos manicômios na rede de saúde mental. 
 
Ela atuava no PAI-PJ (Programa de Atenção Integralao Paciente Judiciário do TJMG); coordenou o CRR Ateliê Intervalo de Redução de Danos da Faculdade de Medicina (UFMG) e foi articuladora do Projeto Redes (FIOCRUZ/SENAD) no município de Ribeirão das Neves (MG). E atuou como professora convidada em cursos de pós-graduação (lato e stricto sensu) da Faculdade de Medicina (UFMG).  De 2013 a 2016, coordenou a Comissão de Direitos Humanos do CRP-MG.
 
 
À sua família, amigas/os e companheiras/os de militância, os nossos mais sinceros pêsames.